segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Prova da UFSC: Como Funciona? Mais informações aqui!

Conhecida como uma das maiores universidades do país, além de super disputada, a UFSC, ou Universidade Federal de Santa Catarina, é lembrada pelo seu ensino de qualidade, grande possibilidade de cursos, vagas concorridas e demais qualificações.

Se você tem interesse em se matricular na inscrição UFSC 2021, é importante sempre ficar atento nas datas estabelecidas pelo calendário da instituição, quais são as questões cobradas, livros que o estudante precisa ler, como solicitar a isenção da taxa em caso de famílias carentes e demais possibilidades.

Por isso, continue lendo esse texto e fique por dentro de como funcionam essas e demais questões relacionadas. 

UFSC: principais informações que você deve saber



A UFSC tem alguns campus localizados em diferentes cidades, entre elas temos:

  • Araranguá;

  • Blumenau;

  • Curitibanos;

  • Florianópolis;

  • Joinville.

Sendo que todos eles possuem uma grande infraestrutura, com salas grandes, ambientes climatizados, sem falar nos equipamentos de alta tecnologia, dos quais os estudantes poderão colocar em prática tudo aquilo que aprendem na sala de aula antes mesmo de terem que trabalhar na prática.

Quais são as formas de ingressar na UFSC?

Existem algumas maneiras simples de entrar na UFSC, seja tanto para a graduação ou para a pós graduação, veja quais são elas abaixo:

  • Por meio do SISU;

  • Vestibular tradicional já conhecido;

  • Transferências de estudantes ou por retornos;

  • Concursos ou por processos seletivos específicos;

  • Ou por ações afirmativas.

As formas que mais costumam ter estudantes cadastrados são o vestibular comum, aplicado pela própria UFSC ou pelo SISU, que no caso, usa a nota obtida pelo ENEM como principal requisito. 

Dessa forma, você pode selecionar aquele em que acredita possuir mais chances de ter a tão sonhada vaga na UFSC.

São 30% das vagas da UFSC destinadas para o SISU, ou seja, é preciso que o aluno tenha realizado o ENEM do ano anterior para se inscrever com essa respectiva nota e assim, tentar a sorte entre as possibilidades de vagas.

Vale lembrar que o pré requisito para se inscrever nessa vaga é ter nota igual ou superior a 450 pontos na prova objetiva, incluindo não ter zerado na redação. Esse procedimento está todo disponível pelo site do INEP, além de inscrições e demais dúvidas, que podem ser tiradas rapidamente de forma online.

Como é a prova da UFSC?

Nos últimos vestibulares oferecidos pela UFSC, foram mais de 4000 vagas ofertadas entre seus 101 cursos de graduação. Dessa forma, mesmo que pareça uma grande quantidade de vagas, elas são bem concorridos, entre as mais disputadas do nosso país.

A prova é dividida em três diferentes partes:

  • 1º dia: língua portuguesa, libras, literatura brasileira, matemática, biologia e a língua estrangeira que fica de acordo com a escolha do estudante (alemão, espanhol, francês, inglês ou italiano);

  • 2º dia: o candidato tem que responder 20 questões de múltipla escolha na área de ciências humanas e sociais, sem falar nas questões interdisciplinares que outras matérias exigem, como é o caso de geografia, história, sociologia, filosofia, questões interdisciplinares, física e química;

  • 3º dia: já no último dia de prova, o candidato precisa fazer uma redação que aborde 4 questões em forma discursiva.

Share:

segunda-feira, 15 de junho de 2020

Tarsila do Amaral - Vida e obra


Tarsila do Amaral, mais conhecida pelo mundo como Tarsila, foi uma artista brasileira que deu à arte latino-americana uma nova direção. Ela era a mulher forte que viveu a vida nos seus próprios termos e Condições. Seja seu trabalho ou sua vida pessoal — ela sempre superou as limitações para seguir seu coração. Nascida no final do século XIX em uma família de plantadores, ela teve sua formação inicial em arte acadêmica.


Mais tarde, aos trinta anos de idade, ela teve sua primeira exposição à arte modernista através das obras de Anita Malfatti. Três anos depois, mudou-se para Paris, onde foi exposta ao cubismo, Futurismo e Expressionismo. Sua experiência em Paris também a levou a mergulhar profundamente em suas raízes brasileiras, acendendo em seu desejo de ser conhecida como uma artista brasileira. Ao voltar para casa, ela começou a viajar pelo campo, redescobrindo as cores vibrantes de sua terra. Logo ela começou a retratar paisagens e imagens brasileiras, sintetizando elementos brasileiros com Cubismo.

Mais tarde, ela mudou-se para o surrealismo. Sua pintura de 1928 'Abaporu' foi instrumental na formação do movimento Antropofagia e foi uma inspiração por trás do famoso "manifesto Canibal"de Andrade. Nos últimos anos ela tornou-se socialmente mais consciente, retratando questões sociais através de suas obras.


Infância E Primeiros Anos


Tarsila do Amaral (Capivari, 1 de setembro de 1886) é um município brasileiro do Estado de São Paulo. Seu pai, José Estanislau do Amaral, veio de uma família de proprietários de terras prósperos e cultivou café em sua plantação. O nome da mãe era Lídia Dias de Aguiar.
Tarsila nasceu em segundo dos cinco filhos de seus pais, tendo um irmão mais velho chamado Osvaldo Estanislau do Amaral e três irmãos mais novos chamados Milton Estanislau do Amaral; Cecília do Amaral e José Estanislau do Amaral. Pouco se sabe sobre sua família, exceto que seus pais devem ter sido excepcionalmente avançados.


Numa época em que as filhas de famílias ricas ficavam em casa, aprendendo pouco, ela era apoiada por seus pais em seu esforço para educar-se. No entanto, não se sabe se ela foi realmente enviada para a escola em São Paulo, embora algumas fontes mencionem que ela frequentou a escola Zion.

Em 1900, a família mudou-se para Barcelona, onde ela foi matriculada em uma escola. Foi nesta escola que ela teve sua primeira instrução formal em arte. Muito em breve, ela impressionou seus professores com suas cópias de imagens da coleção da escola.
Em 1906, a família retornou a São Paulo. Nessa época, Tarsila estava envolvida em seus estudos de arte.
Share:

Quem foi Tarsila do Amaral - Biografia resumida

 Tarsila do Amaral, (nascido em setembro. 1, 1886, Capivari, Brasil.- morreu Jan. 17, 1973, São Paulo), pintor brasileiro que misturou conteúdo Brasileiro local com estética de vanguarda internacional.




Quer saber mais sobre quem foi Tarsila do Amaral? Nas próximas linhas você vai ler informações preciosas sobre esta que é considerada uma das maiores artistas brasileiras. 

Tarsila do Amaral, que é geralmente chamado simplesmente Tarsila, começou a estudar pintura acadêmica em 1916. Em 1920, ela viajou para Paris, onde teve aulas na Académie Julian, retornando ao Brasil logo após a Semana de Arte Moderna de São Paulo de 1922, um festival de arte moderna, literatura e música que anunciou a ruptura do Brasil com a arte acadêmica.

Em dezembro de 1922, Tarsila voltou para Paris, onde estudou com o Cubista André Lhote e brevemente com Fernand Léger (cujo trabalho seria provar influente para o desenvolvimento de sua própria), bem como com Albert Gleizes. Ela foi acompanhada nesta viagem pelo poeta Oswald de Andrade, com quem eventualmente se casaria. Em Paris, ela virou-se para a cultura brasileira por inspiração artística, pintando a mulher negra (1923), um retrato estilizado, estilizado e exagerado de uma mulher Afro-brasileira nua em um fundo geométrico. A pintura marca o início de sua síntese de estética avant-garde e assunto Brasileiro.


Tarsila retornou ao Brasil no mês de dezembro seguinte, seguido por Andrade e o avant-garde poeta francês Blaise Cendrars. Os três visitaram o Rio de Janeiro durante o Carnaval (ver carnaval) e cidades mineiras barrocas durante a Semana Santa. Essas viagens inspiraram Tarsila e Andrade a aprofundar os aspectos característicos da cultura brasileira. Nesse ano iniciou sua fase Pau-Brasil, com o nome do manifesto Pau-Brasil de Andrade, um apelo para uma verdadeira arte e Literatura Brasileira. 

Suas pinturas retratavam as paisagens e os povos do Brasil de uma forma que refletia a abordagem orgânica de Léger ao cubismo. Pinturas como E. F. C. B. (Ferrovia Central do Brasil) (1924) e Carnaval em Madureira (1924) retratam o desenvolvimento industrial do Brasil e suas tradições rurais em composições planares em que estradas, edifícios e figuras são reduzidas a seus contornos essenciais e formas básicas.
Share: